Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

sábado, 23 de agosto de 2014

“Wahlverwandtschaften” (afinidades eletivas), escreveu Goethe. “Lé com lé, cré com cré”, traduzia nossa Mãe na vida diária. Sem ouvir; nenhum, nem outra, JUDAH TOURO (1775-1854) procurou outro “português” “Sir” MOSES MONTEFIORE (1784-1885), oriundo de gentes do Lamego, para executar parte do seu Testamento. Dirigir uma grande obra no sertão de Israel que pudesse aumentar a capacidade de autossustentação dos judeus locais. A primeira ideia foi empregar o legado num hospital, mas, que evoluiu para a construção de um moinho de vento e residências para pobres fora dos muros de Jerusalém. Em 1857 começaram as obras. Nasceu assim o bairro Mishkenot Sha´ananim (Morada de paz, nome tirado de Isaías 32:18).

Nenhum comentário:

Postar um comentário