Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Caminhe pelas cidades americanas e veja a arquitetura contemporânea; se você procura beleza, esqueça. Cada nova construção é mais um monstrengo sobre a terra inocente, porém o arquiteto não é o único culpado disto, pois a construção só reflete o desejo da sociedade (ou seja quem tem o dinheiro para subir o tijolo). Mas isto já foi melhor, pelo menos quando o mestre de obras Manuel Francisco trocou sua Odivelas pelo Brasil em 1724. Manuel Francisco criou beleza em construções e também um filho nas cidades do Ouro em Minas Gerais. O filho ANTONIO FRANCISCO (1730-1814) tido com uma escrava seguiu o seu caminho. Confirmou o Bloom na tese de “angústia da influência”, pois, foi mais longe que ele, mesmo tolhido pelos problemas de saúde. “Ouviu” o Povo e tirou da cabeça o que eles procuravam. Hoje é o seu aniversário (29/08), cumprimentos, Sr. ANTONIO FRANCISCO (não tenho intimidade para chamar-lhe Aleijadinho). IMAGEM – P. V. a frente do profeta Daniel “decapita” fotograficamente os nabiim restantes...

Nenhum comentário:

Postar um comentário