Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

O decreto real deixou perplexos os judeus daquela pequena cidadezinha espanhola. O que fazer? Todos deviam ir embora. O Elias tomou a sua família e foi “para onde levasse o vento”, como escreveu o Isaac Abravanel. Já carregava o rótulo do viajante no baú: oriundo de Canetti, Reino de Espanha. Os Canettis estacionaram no Império Otomano; mas, as demandas do pão levaram outro Elias a Rutschuk, Bulgária. O seu filho Jacques casou-se com a neta do rabino e historiador Abraham Israel Rosanes (1838-1879), de uma família expulsa da Catalunha. Deles nasceu o novo Elias. ELIAS CANETTI (1905-1994), depois de tanta deambulação familiar, conversou e namorou em ladino (sua esposa era uma Calderón), viveu em búlgaro e inglês, escreveu sua obra em alemão e terminou ganhando um prêmio sueco, o Nobel de Literatura em 1981. Feliz aniversário (25/07), señor Canetti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário