Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Com “autorização paterna” ele passou pelo Brasil em 1946, apesar dos bigodes e de que fora artilheiro do campeonato argentino. Era um atacante rápido, hábil e de chute muito forte. Saiu da Argentina para fazer a vida na Colômbia e depois na Espanha, no Real Madrid, onde foi jogador, treinador e dirigente do clube mais importante do mundo. Ganhou a Bola de Ouro em 1957 e 1959. Foi o maior jogador argentino de futebol em todos os tempos (José Manuel Moreno foi o segundo). Tinha tanto reconhecimento pela profissão que colocou no jardim de casa uma estátua em forma de bola e inscrição “Gracias vieja”. ALFREDO STÉFANO DI STÉFANO LAULHÉ (1926-2014) faleceu hoje pela manhã em Madrid (07/07).

Nenhum comentário:

Postar um comentário