Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Trabalho infantil? Não, foi imensa honra, privilégio e uma oportunidade de carreira, quando o Luís Alves, de cinco anos, foi aceito como cadete de uma unidade militar. A partir deste momento não teve mais um minuto de sossego, reprimindo com sucesso revoltas internas e combatendo o inimigo externo. Aos 65 anos colocou os paraguaios para correr em Itororó. Esteve na Cisplatina, Rio Grande do Sul, Maranhão, Minas Gerais, Paraguai - aqui em Campinas, em Venda Grande, desceu o sabre nos Liberais locais, dando oportunidade a vários, de se transformarem em nomes de ruas durante a República (Eles foram fuzilados durante o conflito). Ao lado da atividade castrense foi senador e ministro de Estado, mas, recebeu outros encargos e honrarias, como DUQUE DE CAXIAS (1803-1880). Todas as medalhas pregadas na sua gandola são de verdade. Imagino, ele chegando em casa, depois de tanto tempo fora e Dona Mônica (a sua esposa), reclamando: “É, resolveu voltar?” Caxias morreu numa cidade chamada Desengano num dia como hoje (07/05).

Nenhum comentário:

Postar um comentário