Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Em 1931 o Rio de Janeiro ficou pasmo com a chegada da Esquadrilha Balbo: 14 aviões pilotados pela elite militar fascista italiana, buscando impressionar o governo brasileiro, para tê-lo como aliado. Um dos tripulantes da esquadrilha é o cabo TITO MASCIOLI (1906-1996). Veio a Guerra, o general Ítalo Balbo morreu em combate, a Itália foi derrotada e quem pode (e tinha recursos), escapuliu para o Brasil. Já em S. Paulo o ex-cabo e agora “major” (a guerra tem estes milagres) associou-se ao agrimensor Artur Brandi que vendia terrenos no distante bairro do Jabaquara (antigo quilombo). Como o bairro era longe do Centro ele criou uma pequena empresa de ônibus para transportar os interessados. Ela prosperou, mas, foi estatizada logo adiante pelo prefeito paulistano Abrahão Ribeiro. Percebendo a botija de ouro que era esta atividade, ele criou em 1948 uma empresa intermunicipal e depois interestadual de transportes de passageiros. Era o surgimento da icônica VIAÇÃO COMETA, que chegou a ter 5 mil ônibus em operação. Os ônibus não quebravam ou se envolviam em acidentes. Daí a sua pontualidade. Os motoristas passavam por testes rigorosos e impressionavam os passageiros pela elegância. O ponto fraco da empresa era a baixa remuneração dos motoristas, se comparada à de outras empresas, mas, que era complementada por alguns com o “cabrito” (Não tirar a passagem e ficar com o dinheiro do passageiro para si). Em 2002 a COMETA foi vendida para um empresário carioca, que trocou as cores dos ônibus e por várias outras razões tornou-se apenas uma empresa vulgar, que agora carrega gente de um lado para outro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário