Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

A vida para ele sempre foi uma luta. O pai foi uma daquelas “strange fruit” (ouça Billie Holiday e preste atenção no poema de Abel Meeropol), linchado por racistas. A mãe que ficou com sete filhos enlouqueceu. Criança e sozinho no mundo, só lhe restou usar a ira pessoal e coletiva, para não ser destruído. Entre a “foto do ano” tirada na school até a da maturidade foi um longo caminho, sofreu várias mudanças, indo do batista Little até chegar ao “X” (nome desconhecido) muçulmano no final. A mudança maior deu-se na peregrinação a Meca, quando encontrou-se com gente de todas as origens e percebeu que o mundo era maior que os rednecks e blacks imaginam. Happy birthday (19/05), hajji Malcolm X.

Nenhum comentário:

Postar um comentário