Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

sábado, 19 de abril de 2014

Uma cidade medieval cercada por aldeias africanas”, disse o sociólogo Robert E. Park (1864-1944), depois de subir e descer as ladeiras de Salvador. Compreendi a frase depois de ler os Livros de Registros de Batismos, Crismas, Matrimônios e Óbitos de Cachoeira, Inhambupe, Itapicuru e principalmente Riachão do Dantas, que tomo como exemplo. Em 1836 o papa-jacas (natural de Lagarto) JOÃO MARTINS FONTES (1762-1848), constrói um engenho no meio da mata e uma capelinha dedicada a Srª do Amparo. Uma dúzia de famílias minhotas, centenas de escravos de origem africana, afluem para lá, juntando-se aos índios que moram por ali desde os tempos imemoriais e assim vão construindo o futuro município. Enquanto isto, o padre capa-bodes (natural de Simão Dias) JOÃO BATISTA DE CARVALHO DALTRO (1828-1910), que será o seu pároco por muitos anos, difundirá naquela “fronteira”, a mentalidade lusitana. Primeiro dando o sentido do Tempo, através dos sinos, marcando as Matinas (Meia noite), as Laudes (3h), as Primas (6h), as Terças (9h), a Sexta (meio dia), as Nonas (15h), as Vésperas (18h) e as Completas (21h); depois registrando no livro competente os batismos das indiazinhas, a quem ele coloca um nome poético: Marcionila Professora da Igreja, Isabel Rainha da Hungria, etc., dando-lhes ingresso na civilização luso-brasileira. … E assim por longos anos ele escriturará os nascimentos, matrimônios e mortes daquela comunidade, produzindo centenas de páginas biográficas, dando ao genealogista do futuro, a possibilidade de conviver com este passado que desapareceria, se ele não fizesse o seu trabalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário