Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Transplanta-se um pezinho de alface, mas, e uma cidade? Mazagão (hoje El Jadida) no Marrocos foi uma fortaleza portuguesa encravada no norte da África por quase três séculos. Com problemas de abastecimento, sem utilidade bélica e correndo o risco de um massacre, Pombal transferiu toda a cidade fortaleza de Mazagão para a Amazônia em 1769, numa solução encontrada por si, para acomodar o grupo de combatentes que formavam esta cabeça de ponte na luta contra os Mouros. Primeiro, eles passaram por Lisboa, onde foram apresentados ao El-Rei pelo Ministro: “São tão nobres quanto V. Majestade”, e do grupo inicial, seguiram 371 famílias em dez navios para fundar a Nova Mazagão (Amapá). Vinte e um individuos morreram na travessia oceânica. O escritor paulistano José OSWALD Nogueira DE ANDRADE (1890 - 1954) que pintou o sete na Literatura brasileira, como um dos criadores da Semana de Arte Moderna (1922), descendia destes refugiados por sua mãe, a paraense Inês Henriqueta, filha do desembargador Marcos Antonio Rodrigues de Sousa e Henriqueta Amália de Góis Brito Inglês. Oswald morreu num 22 de outubro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário