Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

O Império do Meio tornou-se incomunicável no começo do século XX. As pessoas não sobreviviam sem ligar-se a um warlord. Não foi diferente com o engenheiro Chu Chen (o nome de família antecede o pessoal), de Xangai, que ficou como soldado sob as ordens do general Chiang Kai-shek (1887-1975). Vencido o líder nacionalista no continente, iniciou-se a grande migração da família Chu para escapar a perseguição: pai, mãe e quatro filhos. Mudaram-se para Hong Kong, onde ficaram por quatro anos, daí, mais três meses chegaram ao Brasil. O engenheiro tornou-se um pequeno comerciante, mas, os filhos estudaram em boas escolas. CHU MING (1939-1997), a segunda filha, formou-se em Arquitetura na Universidade Mackenzie. Foi trabalhar na CTB (Companhia Telefônica Brasileira) em 1966, onde cinco anos depois, criou para a empresa uma proteção sonora para os telefones públicos. Estava inventado o “Orelhão”, ou no jargão da falecida empresa, o “Chu I”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário