Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

No domingo passado (01/09), penúltimo final de semana permitido a visitar o Cemitério Israelita do Butantã (na cidade de S. Paulo), antes do Yom Kippur (Dia do Perdão), quando as pessoas vão em massa visitar os túmulos dos antepassados, vi uma Senhora de origem lituana visitando os seus mortos, que me lembrou o comportamento de nossos patrícios de Vilarinho dos Galegos. Ela estava na quadra P, caracterizada como local de gente muito religiosa, onde está a ohel (capela) do rabino JOEL BEER, descendente de multicentenária dinastia; do rabino MENDEL DIESENDRUCK, líder espiritual da comunidade portuguesa entre os anos 30 e 60; do rabino OSELKA, do mohel SIMHON (que circuncidou um rei egípcio)... Pois esta Senhora ao cumprir o ritual de levar uma pedrinha a cada lápide dos seus parentes, batia com a pedrinha na lápide por algumas vezes e dava um “recado” familiar em tom de carpideira. Nos ritos fúnebres dos cristãos-novos de Vilarinho dos Galegos, século XX, há algo parecido: “Logo após a morte, aparecem as rezadeiras, que choram e lamentam em grande gritaria, dando ao morto instruções e conselhos, encarregando-o de perguntas e recados a pessoas anteriormente falecidas. As perguntas e recados são muitíssimo extravagantes e, a título de exemplo, eis alguns: “Diz ao Tim-Tim que agora estamos mal, porque já nos morreu a burra Ruça – Pergunta a teu avô onde deixou as “guinchas”: se foi na Arribas de Baixo, ou nas de Cima” (,,,)” Em: MACHADO , Casimiro de Morais. Subsídios para a História de Mogadouro. Os marranos de Vilarinho dos Galegos. Tentativa Etnográfica, p. 27.

Nenhum comentário:

Postar um comentário