Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Gente de carne e osso pode tornar-se personagem de ficção, basta entrar no campo de visão de um escritor. Foi o que aconteceu ao neto de um funcionário do Império Austro-húngaro, que sem pressentir tornou-se um personagem ficcional, baseado nas velhas tragédias gregas. ADOLF (“Abraham”) SCHMITZ, natural de Kopchen, deixou a sua terra em busca de melhores oportunidades. Casou-se com a italiana Paolina Rosa Macerata e o filho, FRANZ SCHMITZ (1829-1892), foi comerciante em Trieste e casou-se com Miriam Felice (“Allegra”) Moravia (1832-1895), rica herdeira de uma fábrica de tintas que tornou-se parte da gigante farmacêutica Sandoz, anos adiante, e tiveram o filho ARONNE ETTORE SCHMITZ (1861-1928), que por sua vez casou-se com a prima Livia Fausta Veneziani e teve uma posição confortável, e assim pode dedicar-se a literatura, sob o pseudônimo ITALO SVEVO. Atividade que levou a conhecer o autor irlandês, James Joyce, que fez dele o LEOPOLD BLOOM, o seu Ulisses. “(...) Rudolph Bloom (falecido) narrara a seu filho Leopold (de 6 anos) um arranjo retrospectivo de imigrações e assentamentos em e entre Dublin, Londres, Florença, Milão, Viena, Budapest, Szombathely, com asserções de satisfação (tendo seu avô visto Maria Teresa, imperatriz da Áustria, rainha da Hungria), conselhos comerciais (tendo cuidado do pence, as libras cuidarão de si mesmas). Leopold Bloom (de 6 anos) acompanhara essas narrativas com constante consulta do mapa geográfico da Europa (político) e com sugestões para o estabelecimento de locais de negócio afiliados nos vários centros mencionados (...)” [fragmento de Ulisses].

Nenhum comentário:

Postar um comentário