Quem sou eu

Campinas, S. Paulo, Brazil
Historiador, Mestre em História Social (USP). Autor de "A presença oculta. Genealogia, identidade e cultura cristã-nova brasileira nos séculos XIX e XX": co-autor do "Dicionário Sefaradi de Sobrenomes / Dictionary of Sephardic Surnames" , "B.J. Duarte, caçador de imagens" e “Os primeiros judeus de S. Paulo - uma breve história contada através do Cemitério Israelita de Vila Mariana”.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

O jesuíta italiano Mateo Ricci (1552-1610) em missão proselitista na China recebeu sem muita surpresa o convite para ser rabino da comunidade judaica de Kaifeng. A sondagem surgiu depois que o judeu AI TIAN vendo uma imagem católica da Virgem Maria, do menino Jesus e João Batista, mostrada pelo padre “reconheceu” neles Rebeca, Esaú e Jacó. Bastava Mateo Ricci abster-se de carne suína para ser aceito por sua comunidade. O padre Ricci polidamente recusou o convite, mas anotou que tinha mais identidade com estes judeus, do que com os cristãos chineses. Passaram-se os anos, e os judeus de Kaifeng, continuaram sem rabinos, mas, um dia souberam que em Xangai vivia um grupo de judeus iraquianos, e mandaram o comerciante LI JINGSHENG (1851-1903) para conhecê-los. Ele e o filho LI SHUMEI foram a Xangai, com esta missão. O velho morreu na chegada e foi sepultado no cemitério israelita local. O menino, conhecido como “Samuel” foi agregado a família de David Ezekiel Joshua Abraham (1863-1945), presidente da comunidade judaica local, oriundo da mesma região que os ancestrais de LI diziam ter vindo. Samuel viveu com os Abrahams até a idade de casar-se quando então resolveu voltar a Kaifeng para encontrar noiva. Ele casou-se e teve o filho, LI RONGXIN, que viveu em Kaifeng, e contou a história dos Seus para o Ocidente ...

Um comentário:

  1. David, muito interessante mesmo. Da ultima vez que fui a Israel vi uns chinas por lá. Acho muito interessante isso.
    Boa semana.
    Newton (Yaron) Julio

    ResponderExcluir